Terminada a pré-temporada da NBA, destacamos os novatos que iniciaram 2019-2020 como os favoritos à disputa do prêmio de Calouro do Ano.

 

1) Zion Williamson (ala-pivô do Pelicans)
Estatísticas na pré-temporada: 26 PTS / 5 RBTS / 1 Roubo / 64.3% FG / 27.2 minutos
Papel: Titular e Estrela

Não demorou muito para que Williamson confirmasse na NBA toda a hype que o acompanha desde os tempos de high school.

O novato foi absolutamente dominante em cada minuto em que esteve em quadra, mostrando estar em outro nível em termos de atleticismo e força física em relação a seus competidores.

Com uma habilidade singular de trocar de direção como ‘guard’ no alto de seus 129 kg, Zion foi um pesadelo para pivôs que tentaram permanecer em sua frente – incluindo o bi-campeão do prêmio de Defensor do Ano, Rudy Gobert (Jazz), de quem Zion não tomou conhecimento.

A essa altura, o único adversário aparente do ex-jogador de Duke na disputa pelo prêmio de Calouro do Ano parece ser seu próprio corpo – já que suas dores nos joelhos, que o tiraram da última partida da preseason, contra o Knicks, podem tira-lo também de múltiplos jogos durante a temporada regular.

2) Ja Morant (armador do Grizzlies)
Estatísticas na pré-temporada: 11.2 PTS / 7.2 ASTS e 2.2 Turnovers / 43.9% FG / 14.3% 3-PT / 21.9 minutos
Papel: Titular e principal playmaker

Exibindo um controle de bola avançadíssimo e a tremenda visão de jogo que o permitiu liderar a NCAA em assistências durante a temporada 2018-2019, Morant desmontou defesas adversárias – tanto na meia quadra, quanto na transição, para colocar seus companheiros em situações favoráveis para pontuar.

O armador foi o segundo colocado em assistências dentre todos os jogadores que disputaram a pré-temporada (atrás apenas de James Harden, que distribuiu média de 9 passes para cestas), e – mais do que isso, o fez com muita maturidade, cuidando da bola para distribuir 3.27 assistências para cada turnover cometido.

Na comparação com outros jovens playmakers da liga – como Trae Young 6.6 AST e 4.8 TO, 1.37 AST/TO ratio), De’Aaron Fox (6 AST e 3.2 TO, 1.87 AST/TO Ratio) e Lonzo Ball (5.4 AST e 1.4 TO, 3.37 AST/TO ratio), apenas o terceiro teve desempenho semelhante como a Morant como ‘armador puro’.

Como ponto negativo, Morant exibiu enorme dificuldade para traduzir seu arremesso para a NBA – não apenas pelo patético aproveitamento na linha dos 3-PT (14.3%), mas, sobretudo, pelo aproveitamento de 57.1% na linha do lance-livre.

3) Deandre Hunter (ala do Hawks)
Estatísticas na pré-temporada: 11.8 PTS / 2.5 RBTS / 56.2% FG / 46.7% 3-PT com média de 3.8 tentativas por jogo / 22.7 minutos
Papel: Titular

Um dos melhores defensores da classe de 2019, Hunter deu indícios de que sua defesa se traduzirá imediatamente para a NBA – exibindo tremendo entendimento de ângulos e maturidade para executar uma defesa mais posicional, usando muito mais as pernas do que as mãos.

Além disso, o novato surpreendeu ao ser um fator importante no ataque do Hawks durante a preseason – conectando bolas de 3-PT em situações de catch and shoot a um altíssimo nível, bem como usando seu primeiro passo explosivo para atacar closeouts com muito controle corporal.

Sua consistência nos dois lados da quadra lhe garantiu um espaço como titular na rotação do treinador Lloyd Pierce para o início da temporada regular.

4) Tyler Herro (ala-armador do Heat)
Estatísticas na pré-temporada: 14.2 PTS / 4.4 RBTS / 46.4% FG / 51.9% 3-PT com média de 5.4 tentativas por jogo / 26.4 minutos
Papel: Sexto Homem

Depois de Williamson, foi – de longe – o novato mais excitante durante a preseason, exibindo sua habilidade de mudar partidas como um cestinha multidimensional, capaz de criar o próprio chute colocando a bola no chão e/ou de atuar como um ‘sniper’ fora da bola ao melhor estilo Klay Thompson.

A falta de uma posição de protagonismo na rotação do técnico Eric Spoelstra – que deve iniciar o ano com Justise Winslow, Jimmy Butler, Duncan Robinson, Meyers Leonard e Bam Adebayo como titulares, no entanto, deverá manter as estatísticas de Herro ‘sob controle’ durante a temporada.

5) Coby White (combo guard do Bulls)
Estatísticas na pré-temporada: 19.2 PTS / 4.2 RBTS / 45.5% FG / 43.2% 3-PT com média de 7.4 tentativas por jogo / 25.8 minutos
Papel: Sexto Homem

O papel de jogador que sai do banco para entregar pontuação instantânea à sua equipe fez bem a Coby White – que, desde os tempos de North Carolina, se mostrou muito mais confortável exercendo o papel de um ‘combo guard’ com a função de gerar pontos para sua equipe a partir de sua habilidade como ball handler e ‘shooter’, do que no papel de ‘organizador’ da equipe.

Durante a pré-temporada, o novato explodiu para 19.2 pontos de média – liderados pela tradução imediata de seu arremesso de 3-PT, tanto em pullups, como em situações de catch and shoot.

Como sexto homem no sistema de ‘fast pace’ do treinador Jim Boylen, White terá a liberdade para dar movimento ao ataque de sua equipe nos momentos em que Zach Lavine não estiver em quadra.

Menções honrosas:

PJ Washington (Hornets)
Estatísticas na pré-temporada: 12.2 PTS / 5 RBTS / 62.9% FG / 50% 3-PT com média de 3.2 tentativas por jogo / 25.4 minutos
Papel: Titular

RJ Barrett (Knicks)
Estatísticas na pré-temporada: 15.8 PTS / 6.8 RBTS / 3.2 ASTS e 1.5 Turnover por jogo / 46.3% FG / 33.3% 3-PT / 37.3 minutos
Papel: Tiular