1) Allonzo Trier (Knicks) 10.9 PTS / 44.8% FG / 39.4% 3-PT

Depois de uma excelente carreira na Universidade de Arizona, foi esnobado ao não ser sequer selecionado entre as 60 posições do draft de 2018 – tendo de buscar caminhos alternativos para ganhar uma chance na liga.

Scouters duvidavam de sua tradução como cestinha na NBA, onde – com apenas 1,95m de altura e um atleticismo mediano, teria dificuldades para criar o próprio arremesso – sua principal característica no universitário.

Em pouco tempo, no entanto, traduziu sua habilidade de ser pontuação instantânea ao utilizar seu controle de bola, mudanças de velocidade e um subestimado primeiro passo para atacar o aro.

Ao ganhar o respeito dos defensores, passou a abusar de pullups contra defensores que o marcavam com maior distância.

Projetamos uma longa carreira como sexto homem.


2) Rodions Kurucs (Nets) 8.5 PTS / 3.9 RBTS / 45% FG

Chegou sem muitas expectativas ao ser selecionado na 40ª posição do draft – depois de ter média de 5.9 minutos pela equipe do Barcelona na temporada anterior.

Ganhou, porém, rapidamente seu espaço e foi titular em 46 dos 63 jogos na temporada regular – contribuindo para a campanha que levou o Nets aos playoffs.

Deve seguir como titular na pós temporada – tendo a missão de repetir seu impacto como defensor capaz de marcar as posições 2, 3 e 4 utilizando sua rara mobilidade para um jogador de 2,06m de altura e a envergadura de 2,19m.

Há ainda um próximo passo que pode dar – desenvolvendo os sinais que demonstrou como espaçador de quadra e como slasher a partir de suas passadas largas e bom atleticismo.

3) Mitchell Robinson (Knicks) 7.3 PTS / 6.4 RBTS / 2.4 Tocos / 69.4% FG

Esperado como escolha de 1ª rodada rodada no último draft, acabou caindo para a 36ª posição.
⠀⠀
Sua proteção de aro de elite, ótimas mãos e atleticismo para ser um espaçador vertical, além de muita intensidade e instintos nos rebotes ofensivos, o projetam como um pivô de elite nos próximos anos.