1) Kendrick Nunn (Heat) 19.7 PTS / 3.4 ASTS e 1.3 TO / 48.9% FG / 42.1% 3-PT com média de 6.3 tentativas por partida

Depois de passar por um período de dificuldade com seus arremessos de longa distância (31.9% nas 10 partidas anteriores à essa semana), Nunn reencontrou seu ‘toque’ na linha dos 3-PT nos últimos 7 dias – tanto em cenários de catch and shoot (41.7% em 4 tentativas por jogo), quanto a partir do drible em pullups (42.9% em 2.3 tentativas).

A confiança no perímetro permitiu com que o combo guard do Heat atuasse com mais paciência na hora de ler a defesa adversária – escolhendo metodicamente a melhor jogada disponível para cada momento, algo que não impactou somente seu excelente percentual de arremessos, mas o permitiu ser eficiente também como playmaker secundário ao distribuiu 2.6 assistências para cada turnover cometido.

Mais do que o ‘compilado’ de seus números na semana, porém, foi o fato do novato ter colocado tremenda performance contra o 76ers, na casa do adversário.
Enfrentando problemas contra os chamados ‘contenders’ durante todo o ano, Nunn teve sua primeira grande partida em um ‘confronto chave’ ao anotar 26 PTS (9-18 FG; 4-8 3-PTS) e 5 ASTS (TO) para ajudar sua equipe a quebrar a invencibilidade de Embiid e companhia dentro de Philadelphia.

2) Ja Morant (Grizzlies) 15.8 PTS / 8 ASTS e 3.8 TO / 48.1% FG / 30% 3-PT

Em uma semana de altos e baixos – sobretudo em termos de eficiência na hora de pontuar, Morant brilhou na vitória contra o Heat, foi sólido na derrota contra o Thunder e encontrou problemas na derrota contra o Cavs e na vitória contra o Kings.

Preocupados com sua habilidade de invadir o garrafão para criar para si mesmo e para os companheiros, as equipes têm feito um esforço para congestionar a área pintada a fim de diminuir sua eficiência interna (53.8% FG na área restrita e 39% nas outras áreas do garrafão na semana, números abaixo de sua eficiência ao longo da temporada).

Apesar de não conseguido necessariamente punir a estratégia dos adversários conectando chutes de longa distância, Morant mostrou maturidade ao conseguir impactar o jogo positivamente com sua habilidade como passador – sobretudo em cenários de transição e pick and roll.

3) Grant Williams (Celtics) 12.3 PTS / 3 RBTS / 71.4% FG / 50% 3-PT com 2.7 tent.

Sólido defensivamente durante toda a temporada, Williams elevou seu jogo como defensor a um outro nível nessa última semana – limitando seus oponentes a aproveitamentos de 20.6% FG e 16.7% 3-PT.

Seu tremendo impacto defensivo lhe angariou mais tempo na rotação de Brad Stevens (25.4 minutos na semana), tempo este que o novato aproveitou muito bem ao entregar – de quebra – sua melhor performance ofensiva na temporada.

Williams, havia convertido apenas uma bola de 3-PT ao longo de 19-20, matou 4 de suas 8 tentativas na semana. Além disso, mostrou elementos característicos de seu jogo nos tempos de Tennessee, usando sua força física para punir jogadores menores no post médio e saindo de pick and rolls com bom equilíbrio após fazer sempre bom contato como ‘screener’.