1) Michael Porter Jr. (Nuggets) 17.3 PTS / 11 RBTS / 46.2% FG / 52.4% 3-PT com 7 tentativas por jogo

A essa altura, Porter Jr. já passou do estágio de um ‘jovem que precisa de minutos para ser desenvolvido’ para se tornar uma peça imprescindível para o sucesso do Denver Nuggets.

Mesclando sua inteligência para se mover sem a bola com um toque único em seu arremesso de 3-PT (60% das 5 tentativas para 3-PT em cenários de catch and shoot no período), o ala supriu a ausência de Jamal Murray com muita eficiência no papel de ‘segunda opção ofensiva’ e impulsionou sua equipe a 3 vitórias nos 3 jogos em que esteve em quadra (não atuou na derrota para o Rockets na última quarta-feira).

Porter Jr. teve ainda presença fundamental nos rebotes – usando cada centímetro de seus 2,08m de altura para permitir que sua equipe vencesse a disputa na tábua em todos os jogos em que o novato atuou – a despeito de não contar com Mason Plumlee e Paul Milsap – com média de 11 RBTS (4 contestados).

 

2) Zion Williamson (Pelicans) 19.3 PTS / 8 RBTS / 66.7% FG / 22.2 minutos

O ala não demorou para se estabelecer como uma força dominante no garrafão ofensivo – convertendo incríveis 78.3% de uma média de 7.7 arremessos na área restrita por partida e indo à linha do lance-livre média de 5.3 vezes por jogo – a despeito da pouca minutagem.
Zion foi uma ‘besta’ também na tábua de rebotes – usando sua fisicalidade para ganhar rebotes contestados (4 – de seus 8 totais) e conquistar 3.3 posses de bola extra para sua equipe (5.4 rebotes ofensivos PER 36).
Sua última partida – contra o Celtics, indica que seu estrago seguirá aumentando progressivamente em sua segunda semana na NBA. Isso porque na noite desse domingo – contra o Celtics – o novato ultrapassou a marca dos 27 minutos e teve a oportunidade de terminar o jogo dentro de quadra pela primeira vez, impulsionando sua equipe a uma importante vitória com seus 21 PTS (56.3% FG) e 11 RBTS.

 

3) Kendrick Nunn (Heat) 19.5 PTS / 5.5 RBTS / 44.4% FG / 38.5% 3-PT com média de 6.5 tentativas

O combo guard atuou em apenas 2 dos 3 jogos de sua equipe na semana – justamente naqueles em que o Heat saiu vencedor – e seguiu recuperando a eficiência na linha dos 3-PT que havia indicado na última semana.
Mostrando a mesma maturidade que o tem acompanhado durante toda a temporada, Nunn não permitiu que o bom momento na linha dos 3-PT lhe tirasse a agressividade daquilo que faz de melhor: atacar a cesta.
Explorando o fato de seus defensores terem de marca-lo de maneira mais pressionada no perímetro, o novato usou seu primeiro passo potente para atacar closeouts e infiltrar em linha reta a fim de atacar o aro – conquistando o direito de ir à linha do lance-livre em oito oportunidades (100% de aprov.) na vitória dramática contra Kings na prorrogação.