1) Luka Doncic (Mavericks) 26.7 PTS / 10.3 RBTS / 9.5 ASTS e 4.7 Turnover / 1.5 Roubo / 46.4% FG / 35.2% 3-PT

Com um início de temporada dominante tanto no aspecto individual, quando no impacto coletivo – comandando o ataque mais eficiente da NBA nesse início de temporada e uma campanha de 4 vitórias e 2 derrotas, Doncic não apenas lidera nossa corrida para o simbólico prêmio de Jovem do Ano – como, no atual momento, não pode ser ignorado na conversa dos candidatos precoces ao prêmio de MVP.

O esloveno apresentou melhora em todos os aspectos em relação à já fenomenal temporada de novato – com destaque para o aumento de sua eficiência como cestinha, evolução proporcionada, sobretudo, por sua inteligência na hora de criar espaço a partir do contato físico (7.7 lances livres por partida até aqui).

2) Karl Anthony-Towns (Timberwolves) 27.3 PTS / 11.5 RBTS / 4 ASTS e 2.5 Turnovers / 1.8 Toco / 54.4% FG / 52.9% 3-PT

Teve o início espetacular de temporada interrompido pela briga dentro de quadra com o também pivô Joel Embiid (76ers).
Antes disso, no entanto, teve o melhor início da liga entre os jogadores de sua posição – dominando as partidas dentro e, sobretudo, fora do garrafão – levando seu já excelente aproveitamento da linha dos 3-PT nas últimas temporadas (converteu + de 40% de suas tentativas longas em 17-18 e 18-19) para outro nível.

3) Ben Simmons (76ers) 16.8 PTS / 8 ASTS e 4.4 Turnovers / 6.4 RBTS / 2.6 Roubos / 52.2% FG

O salto ofensivo – com o tão falado arremesso de longa distância ainda não veio. Pelo contrário, Simmons tem demonstrado a mesma inconsistência em sua mecânica na linha do lance-livre (52.2%) e recusado por completo arremessar da linha dos 3-PT.
Apesar disso, o jovem tem se consolidado definitivamente como um dos melhores defensores de toda a NBA – defendendo individualmente o melhor jogador adversário todas as noites e ocupando a segunda posição da liga na coluna de roubos de bola (líder da sexta melhor defesa da liga).

4) Trae Young (Hawks) 26.8 PTS / 7.3 ASTS e 5 Turnovers / 5 RBTS / 50.7% FG / 50% 3-PT

Young fazia um início de temporada tão bom quanto os de Doncic e Towns antes de se lesionar contra o Miami Heat, em seu quarto jogo na temporada.
O armador não apenas colocava números ofensivos impressionantes com muita eficiência, como também liderava sua equipe para um início mais competitivo que o esperado.

5) Brandon Ingram (Pelicans) 23.5 PTS / 7.5 RBTS / 4.2 ASTS e 2.3 Turnovers / 51.5% FG / 50% 3-PT

A lesão sofrida no início do segundo quarto contra o Thunder ‘macularam’ as estatísticas do ala – que tem, nesse início de ano, tem se consolidado como o melhor cestinha entre todos os jogadores sub-23 da NBA.
Sua combinação de envergadura, toque no arremesso e controle de bola impressionante para um jogador de sua altura tem o tornado imarcavel nesse início de temporada e justificam as comparações que recebeu com Kevin Durant durante o draft de 2016.