Contar com uma dupla de alas versáteis defensivamente, capazes de marcar ao menos três posições na quadra e, de quebra, criarem ainda o próprio arremesso com conforto no lado ofensivo da quadra é um luxo que pouquíssimas equipes da NBA possuem.

Com os jovens Jayson Tatum, de 22 anos, e Jaylen Brown, de 23, em seu elenco, o Boston Celtics tem e deve seguir tendo esse privilégio por longos anos à frente.
Vindo do primeiro allstar game de sua carreira, o primeiro deixou para trás um início de temporada titubeante para explodir rumo à elite de sua posição na liga – combinando:

– sólida contribuição como defensor individual, onde divide posses de bola marcando guards (50.1% do tempo) e alas (45.5% do tempo) e diminui o aproveitamento médio dos adversários em -1.4% nos arremessos de quadra;

– muita eficiência na linha dos 3-PT em situações de catch and shoot (39.1%, com 2.5 tent.);

– e claro, muita facilidade para usar seu trabalho de pernas de muito fundamento e a envergadura de 2,11m na hora de criar seu próprio arremesso em situações de 1 contra 1 (70.3th percentile em ISOs em 19-20; média de 3.5 por jogo).

Mais do que sua versatilidade e impacto em muitas áreas do jogo, no entanto, Tatum se destaca por ter aquilo que os americanos chamam de ‘it factor’. Ou seja, exibir extrema confiança e uma postura de quem sabe que é uma estrela na liga na hora de se estabelecer como uma força dominante em sequências que sua equipe necessita.
Brown, por sua vez, vem se tornando rapidamente um dos jogadores mais subestimados de toda a liga.

Antes da explosão de Tatum pré-allstar, aliás, havia uma disputa real pelo posto de ‘segundo representante’ do Celtics no Jogo das Estrelas 2020 – ao lado de Kemba Walker.

Sólido e versátil no lado defensivo e capaz de colocar pressão constante no aro adversário na hora de utilizar seu atleticismo como slasher, o ex-jogador da Universidade da Califórnia deu um tremendo salto como arremessador e, mais do que se tornar ‘consistente’ no quesito, se colocou na elite da liga em situações de spot up.

Em 2019-2020, Brown matou 42.6% de uma média de 4 tentativas de 3-PT em situações de catch and shoot – elemento que tem feito dele um complemento letal em um ataque centrado em Walker e Tatum.

Em seu auge, a dupla ‘Jay Jay’ – como é carinhosamente chamada pelos torcedores do Celtics – deverá ser, por si só, boa o suficiente para manter o Celtics como contender da NBA por diversos anos consecutivos.

Levando em consideração o fato de ambos serem treinados por um treinador do calibre de Brad Stevens, em uma franquia histórica e com um gerente geral da qualidade de Danny Ainge, o torcedor de Boston tem todas as razões para sonhar com um ou mais títulos no médio e longo prazo.