Terminado novembro – primeiro mês completo desde o início da temporada da NBA, elegemos os três novatos que mais se destacaram no período.

Fato curioso é que, excluindo as cinco partidas realizadas no mês de outubro, o combo guard Kendrick Nunn (Heat) não teve produção suficiente para compor o Top 3 – cenário que indica uma queda de produção depois de um início avassalador. Em seus últimos 5 jogos na temporada, aliás, Nunn apresentou números inconsistentes com médias de 12 pontos, 38.7% FG e apenas 0.8 lances-livres por partida.

Confira abaixo os três melhores calouros de novembro:

1) Ja Morant (Grizzlies) 19 PTS / 6.8 ASTS e 2.9 TO / 1.2 Roubo / 44.6% FG / 5.4 lances-livres por jogo

O início conturbado com turnovers nos 4 jogos de mês e outubro (5 TO e 5 AST por jogo no período), foi rapidamente superado – exibindo o enorme QI de basquete do armador, que já se sente em casa na NBA com 2.3 assistências para cada turnover cometido em novembro.

Tal como o fez no college, Morant impôs seu atleticismo de tirar o fôlego e o controle de bola avançado para ultrapassar seus adversários sem dificuldade a fim de ‘morar’ no garrafão ofensivo – área na qual concentrou incríveis 73.5% de suas tentativas de arremesso de quadra.

Como boa estrela que será, o novato está gradualmente se colocando no grupo daqueles jogadores que o defensor ‘sabe o que ele quer fazer e ainda assim não consegue para-lo’.

2) Eric Paschall (Warriors) 18.1 PTS / 5.8 RBTS / 47.8% FG / 5.2 lances-livres por jogo

‘Com um novembro inteiro para chamar de seu’, após as lesões de Stephen Curry e – posteriormente – D’angelo Russell, Paschall aproveitou a oportunidade de ser o ponto focar da equipe de Steve Kerr para demonstrar a capacidade de ser um mismatch a partir da posição 4: e com muito móvel e confortável para colocar a bola no chão contra jogadores tão pesados quanto ele (116kg); e muito forte e físico para jogadores mais leves.

Fazendo jus ao histórico dos jogadores de Villanova, Paschall não hesitou em recorrer ao ‘bully ball’ – abusando do contato físico para chegar aos seus lugares preferidos em quadra.
A abordagem lhe rendeu média importante de 5.2 lances-livres por partida e aproveitamento de 65.3% na área restrita – segundo maior entre os novatos com ao menos 3 tentativas por jogo (1º foi PJ Washington, com 69.9%).

Maior surpresa da classe de 2019 até aqui, o ala-pivô mostrou ainda ótimo toque em seu arremesso de média distância (41.9%) – arma para a qual recorreu para punir jogadores que buscaram antecipar suas infiltrações e o permitiu evitar as faltas de ataque (apenas 1.7 turnover), em geral comuns a jovens tão físicos quanto ele.

3) Tyler Herro (Heat) 14.5 PTS / 3.6 RBTS / 45.6% FG / 43.1% 3-PT com 5.4 arremessos por jogo

Maior gatilho da classe de 2019, Herro tem feito excepcional trabalho fora da bola.

No mês de novembro, Herro – que converteu 48% de uma média de 4.2 tentativas de 3-PT em situações de catch and shoot – produziu a excelente marca de 1.08 ponto por posse de bola quando utilizado correndo em torno de screens e foi o terceiro melhor da liga em cenários de spot-up, com 1.57 ponto por posse.

Tais números são suficientes para coloca-lo no grupo dos arremessadores de elite da liga – independente de suas idades, à frente de nomes como Buddy Hield e JJ Reddick.