Veja como Spencer Dinwiddie (Nets) – um dos melhores sextos homens da NBA em 18-19 e peça chave no novo momento do Brooklyn, se encaixa em nossa ‘Fórmula do Steal’. O armador foi selecionado na 38ª posição do draft de 2014 pelo Detroit Pistons.

1 – Múltiplos anos de basquete universitário ou em ligas estrangeiras

Dinwiddie atuou por três temporadas na Universidade do Colorado – onde disputou todos os 86 jogos de sua carreira universitária como titular e foi peça chave na rara sequência de três classificações consecutivas de sua equipe para o torneio nacional da NCAA em uma conferência altamente competitiva como a PAC-12.

Na temp. 2013-2014, sua última em Colorado, o armador se destacava pelo jogo maduro – de alta eficiência e poucos erros nos dois lados da quadra, acumulando médias de 14.7 PTS, 3.8 ASTS e 1.8 Turnover, 1.5 Roubo, 46.6% FG e 41.3% nos 3-PT antes de sofrer com o rompimento do ligamento cruzado do joelho esquerdo.

2 – Medidas físicas medianas para a posição

Não se encaixa no quesito ao possuir medidas de elite para a posição de armador com 1,95m de altura e a tremenda envergadura de 2,07m.

3 – Jogo mais baseado nas habilidades e na inteligência do que na capacidade atlética

Em maio de 2014, o analista Kyle Nelson do site Draft Express destacou que – apesar de não ser o atleta mais explosivo, Dinwiddie mostrava boa agilidade e um ótimo primeiro passo, características que o projetavam como um bom prospecto sob o ponto de vista atlético.

No mesmo artigo, Nelson destacou sua inteligência para utilizar sua vantagem de altura em relação a outros armadores. “Ele faz um excelente trabalho usando seu tamanho e trabalho de pernas a seu favor, particularmente na hora de proteger a bola, olhar por cima de defensores (…) e se manter equilibrado após iniciar contato no garrafão”.

4 – Atuam em universidades ou em equipes europeias que não possuem tanta hype

Colorado está longe de ser um dos programas de maior destaque até mesmo dentro de sua conferência, a Big 12 – que conta com as badaladas UCLA e Arizona.
Nos últimos 20 anos, a universidade teve apenas uma escolha de loteria no draft da NBA – o combo guard Alec Burks, 12ª pick de 2011.