Veja Isaiah Thomas (Wizards), duas vezes selecionado para o jogo das estrelas e escolhido para o segundo time da NBA em 2017, se encaixa em nossa ‘Fórmula do Steal’.

IT foi selecionado na 60ª posição do draft de 2011 pelo Sacramento Kings.

Fator 1 – Múltiplos anos de basquete universitário

Atuou por três temporadas pela Universidade de Washington onde, em seu terceiro ano, teve médias de 16.8 pontos, 6.1 assistências, 1.3 roubo de bola, converteu 44.5% de seus arremessos de quadra e 34.9% da linha dos três pontos.

Nesta última temporada, em 2010-2011, Isaiah atuou ao lado de outros dois jogadores que estão atualmente na NBA: Terrence Ross (Magic) e Justin Holiday (Grizzlies).

Fator 2 – Medidas físicas medianas para a posição

Com 1,75m de altura e envergadura de 1,87m, Thomas tem medidas bastante abaixo da média da liga – o que prejudicou seu status no processo pré-draft.

Fator 3- Jogo mais baseado nas habilidades e na inteligência do que na capacidade atlética

Pelas óbvias limitações físicas, Thomas teve de usar a criatividade e a habilidade para se estabelecer como prospecto com possibilidade de ir à NBA.

Em análise publicada no dia 17 de janeiro de 2011, o site Draft Express destacou:

“Ele se apoia muito em um jogo refinado para pontuar no garrafão, utilizando muitos floaters e arremessos em movimento para ser bem sucedido – a despeito de sua altura”.

Fator 4 – Atuam em universidades que não possuem tanta ‘hype’

Apesar pertencer a uma das conferências mais importantes do basquete universitário, a PAC-10 – que conta com universidades como UCLA e Arizona, Washington não possui uma posição de protagonismo na NCAA.