Embora o fato de ter atuado em aproximadamente apenas 1/5 das partidas disputadas por novatos como o armador Ja Morant (Grizzlies) provavelmente torne impossível sua entrada real na disputa pelo prêmio de Calouro do Ano, Zion Williamson (Pelicans) já confirmou – em apenas 10 jogos oficiais – toda a ‘hype’ que envolve seu nome desde os tempos de high school.

Sua reputação de ‘força imparável’ nos níveis inferiores foi traduzida imediatamente para a NBA – com o jogador de 19 anos de idade liderando a liga em tentativas na área restrita por partida com média de 11.9 ao mesmo tempo em que mantém um aproveitamento de 64% no setor e ganha o direito de arremessar 7.8 lances livres por partida com apenas 27.4 minutos em quadra.

Líder entre os novatos em pontos, rebotes, lances livres por jogo e em plus/minus dando à sua equipe uma vantagem de 7.4 nos minutos em que está em quadra, Williamson já merece – sim! – ser incluído nas discussões para o primeiro time dos calouros da temporada 2019-2020.

Confira abaixo o Top 5:

1) Ja Morant (Grizzlies) 17.6 PTS / 7.1 ASTS e 3.2 TO / 1 Roubo / 49.3% FG / 4.4 lances livres por jogo

Ao mesmo tempo em que seu arremesso de longa distância tem ‘voltado à terra’ (apenas 30.2% de uma média de 2.2 tentativas em 2020), Morant tem exibido uma maturidade fora do comum para manter a confiança e encontrar formas de impactar as partidas positivamente – mesmo com adversários o defendendo a 2 ou 3 metros de distância, desrespeitando seu ‘jump shot’.

Para tanto, o armador tem abusado daquilo que faz de melhor: aproveitar todas as oportunidades possíveis de transição (Grizzlies é o 5º em pace) e encontrar passes precisos e extremamente criativos para desmontar defesas em cenários de pick and roll (8 ASTS e 3.4 TO da virada do ano para cá).

Oitavo colocado da Conferência Oeste com boa distância para seus perseguidores, o Grizzlies terá um desafio e tanto ao enfrentar a tabela mais difícil de toda a liga no período. Para ‘sobreviver’ a esse calendário ingrato, a franquia terá de contar ainda mais com a habilidade de Morant encontrar alternativas em meio a cenários pouco-favoráveis.

 

2) Kendrick Nunn (Heat) 15.3 PTS / 3.5 ASTS e 1.7 TO / 43.9% FG / 34.1% 3-PT com 5.7 tentativas por jogo

Não é por acaso que pior sequência de sua equipe na temporada coincidiu com o momento mais difícil de Kendrick Nunn desde que se tornou profissional.
Segundo melhor cestinha do Heat em 2019-2020, o novato é peça indispensável em um time que – embora para lá de sólido defensivamente – tem suas limitações em termos de jogadores talentosos ofensivamente no que diz respeito à criação do próprio chute.

Até aqui, Nunn havia ‘carregado’ essa possibilidade ao lado de Jimmy Butler (jovem é o 2º cestinha do time com média de 15.3 PTS por jogo).

Nos últimos 5 jogos, que terminaram com 4 derrotas e apenas 1 vitória de Miami, Nunn simplesmente não encontrou sua distância em arremessos a partir da linha dos 3-PT ou do mid range, convertendo apenas 26.5% de seus chutes de quadra e 21.2 nas bolas longas.

 

3) Brandon Clarke (Grizzlies) 12.3 PTS / 5.7 RBTS / 62.3% FG

O casamento entre o ala-pivô e Ja Morant tem sido chave para colocar o Grizzlies na primeira posição entre as equipes que mais pontuam no garrafão em toda a NBA.

Com um atleticismo raro que mistura fluidez, agilidade e muita explosão – Clarke figura entre os melhores da liga em cenários de pick and roll (líder entre aqueles que participam de ao menos 2 posses por jogo como ‘screener’ com 1.46 ponto por posse) e de transição (1.43 ponto por posse).

O ex-jogador de Gonzaga tem ainda feito sólido e versátil trabalho defensivo, sendo efetivo tanto no garrafão quanto no perímetro – limitando os oponentes a 33% de aproveitamento na linha dos 3-PT e 54.3% em arremesso a menos de 1.2 metro da cesta.

4) Tyer Herro (Heat) 13.1 PTS / 4 RBTS / 39.3% 3-PT com 5.5 tentativas por jogo
Melhor arremessador entre nos novatos na temporada, Herro fez enorme falta para o Heat ao perder as últimas 5 partidas por conta de uma lesão no tornozelo direito.

Sem o ala-armador, que é um dos melhores da liga nos mais variados cenários de catch and shoot (45.5% de aproveitamento na linha dos 3-PT com média de 2.9 tentativas por jogo), o time de Erik Spoelstra perdeu 4 de suas últimas 5 partidas, sendo a única vitória contra Golden State Warriors – equipe de pior campanha da NBA.

5) Zion Williamson (Pelicans) 22.1 PTS / 7.5 RBTS / 57.6% FG / 7.8 lances livres por jogo

Bastaram 10 jogos para a primeira escolha do draft de 2019 confirmar, em quadra, cada centímetro de ‘hype’ que recebera desde os tempos de high school.
Williamson lidera os novatos em pontos, rebotes, lances livres por jogo e – de longe – em plus/minus dando à sua equipe uma vantagem de 7.4 nos minutos em que está em quadra. Terance Davis (Raptors), o segundo, anota 4.3 positivos na coluna do plus/minus.

Sua reputação de ‘força imparável’ nos níveis inferiores foi traduzida imediatamente para a NBA – com o jogador de 19 anos de idade liderando a liga em tentativas na área restrita por partida com média de 11.9 ao mesmo tempo em que mantém um aproveitamento de 64% no setor e ganha o direito de arremessar 7.8 lances livres por partida com apenas 27.4 minutos em quadra.

À essa altura, é difícil imaginar que o ala-pivô vença o prêmio de Calouro do Ano – até por respeito a jogadores que, como Morant atuaram 4 vezes mais do que ele na temporada.
Na ‘big picture’, porém, não há dúvida: Zion é o melhor prospecto da classe de 2020 e essa não é uma discussão.