Esqueça os sub-23. Em qualquer lista que mencionarmos os melhores cestinhas da liga, o nome de Devin Booker (Suns) é mais do que obrigatório.

O ala-armador não apenas coloca pontos na tabela de estatísticas a um volume altíssimo, como o faz com extrema eficiência.

Na atual temporada, entre os 14 jogadores que possuem média de 25 pontos ou mais apenas Giannis Antetokounmpo (30 PTS e 55.2% FG), Anthony Davis (26.8 PTS e 51.4% FG) e Karl Anthony-Towns (26.5 PTS e 50.8% FG) possuem aproveitamento superior ao de Booker (26.4 PTS e 49.4% FG) no âmbito dos arremessos de quadra.

Sem a vantagem física desses que o superam em eficiência, Booker se apoia em um vastíssimo arsenal de movimentos e um nível de skill absurdo para converter quase 50% de suas tentativas.

Fã confesso de Kobe Bryant, o ala-armador do Suns possui um dos melhores trabalhos de pés da liga (talvez o segundo melhor, depois de Kevin Durant) – mostrando igual facilidade para girar sob o pé de pivô para os lados esquerdo e direito, e mantendo-se sempre equilibrado em seus pullups.

O domínio dos fundamentos de ‘footwork’ do jovem se somam a um tremendo atleticismo e uma força física quase sempre subestimada, combinação que o permite ganhar muita elevação em seus ‘jump shots’ – mesmo em situações nas quais tem de parar subitamente após estar em alta velocidade e apoiando todo o peso de seu corpo em uma só perna ao melhor estilo Kobe.

Outro elemento que faz de Booker uma máquina de anotar pontos é seu toque natural na bola – tanto em situações de arremesso, quanto em suas bandejas ‘macias’ ao redor do aro.

Um arremessador muito superior ao que pode sugerir sues 36% de aproveitamento na atual temporada (92.2% de aproveitamento nos lances livres; campeão do torneio de 3-PT do allstar game), ele demanda o respeito de seus adversários todas as vezes em que ameaça o chute com pump fakes e hesitações – cenário que lhe abre um oceano de possibilidades para atacar closeouts e marcações pressionadas com um ótimo primeiro passo para, próximo ao garrafão, ler a postura do pivô adversário para:

subir para pullups na meia distância contra drop coverages (44.7% de aproveitamento de sua média de 4.7 tentativas no ‘mid range’ por jogo);

ou atacar o aro com muita agressividade e a habilidade de finalizar com ambas as mãos (70.9% de aproveitamento nas 4.7 tentativas na área restrita).

Para completar o pacote ‘interminável’ como cestinha possuído por Booker, ele faz ainda ótimo trabalho explorando o contato para ir à linha do lance livre 7.2 vezes por jogo.