Posição no draft de 2006: 4º

Selecionado por: Portland Trail Blazers e trocado imediatamente para o Chicago Bulls

 

Um dos jogadores mais explosivos da NCAA nas últimas duas décadas, Tyrus Thomas encantou os scouters durante a temporada universitária 05-06 ao se destacar como um protetor de aro impressionante pela Universidade de LSU.

Em seu único ano pelo programa, o ala-pivô acumulou média de 3.1 tocos em 25.9 min. por partida – número que, somado à de pressionar ball handlers no perímetro em Pick and Rolls, lhe rendeu o prêmio de defensor do ano da Southeastern Conference, conferência que também abriga a Universidade da Flórida – campeã daquele ano com destaques como Joakim Noah e Al Horford em seu elenco.

O destaque do então freshman lhe rendeu rapidamente o status de ‘pick de loteria’ no draft de 2006.

Analistas como Jonathan Givony, do Draft Express, destacavam que ‘pouquíssimos jogadores da NBA seriam capazes de competir com a combinação de envergadura (2,21m) e capacidade atlética de Thomas’. “Ele corre a quadra como um ‘guard’ e explode do chão como quem pisa em um trampolim a todo momento (salta mais de 1 metro do chão), características que o separam de atletas como Stromile Swift e Tyson Chandler”, afirmou.

No mesmo artigo, publicado em março de 2006, Givony enfatizou ainda que Thomas estava longe de ser apenas um atleta – exibindo muito instinto e entendimento do jogo como defensor e reboteiro.

Encantado, o Chicago Bulls – dono da 2ª escolha daquela seleção, trocou sua pick (que viria a ser LaMarcus Aldridge) por Thomas + Viktor Khyrapa (jogou quatro temporadas na NBA com médias de 4.5 PTS e 3.4 RBTS) + uma escolha de 2ª rodada do draft de 2007.

Logo em sua chegada na NBA, ficou claro que Thomas dificilmente se tornaria mais que um ‘jogador de energia’ saindo do banco.

Seu atleticismo e a presença como protetor de aro se traduziram imediatamente para a liga (1.1 toco como novato e 1.3 na carreira), mas a falta de skills – sobretudo no arremesso, e as dificuldades na tomada de decisões (1.3 TO contra 0.9 AST na carreira) dificultavam sua permanência em quadra por mais de 20 minutos por jogo.

Em suas oito temporadas na liga – entre Bulls, Bobcats e Grizllies, Thomas acumulou médias de 7.7 PTS, 4.8 RBTS e 19.7 minutos – além das outras stats já mencionadas.