Terminada a segunda semana da temporada, elegemos pódio dos calouros que melhor se apresentaram no período que foi do dia dia 22/10 até 28/10. Confira a análise abaixo:

 

1 – Deandre Ayton (Suns) 20.5 pontos / 11 rebotes / 4 assistências / 67.3% de FG / 88.9% nos lances livres

Os últimos sete dias do pivô serviram para tirar qualquer dúvida sobre seu potencial de jogador ‘geracional’. Sua habilidade de punir trocas ofensivas contra jogadores mais baixos com movimentos rápidos e extrema eficiência, somada à capacidade de se manter em frente de jogadores mais baixos nas trocas defensivas, fará – futuramente – com que times não possam atuar no ‘small ball’ contra o Phoenix Suns.

Aliás, caso surjam mais jogadores como ele e Joel Embiid (76ers) a era do small ball estará fadada a final ao passo que ambos os jogadores – além de punir trocas, são mais do que hábeis para explorar dobras com passes que terminam em cestas fáceis para seus companheiros.

A favor de Ayton existe ainda sua até aqui impressionante habilidade de converter lances livres com um alto aproveitamento. Seus 88.9% durante os 4 jogos da última semana o coloca acima de qualquer outro pivô da liga nesse quesito.

2 – Luka Doncic (Mavericks) 19 pontos / 5.8 rebotes / 4.3 assistências / 3.5 turnovers

Apesar de ainda encontrar problemas para criar jogadas controlando o desperdício da bola, o esloveno tem se consolidado como o principal ‘playmaker’ de sua equipe. Não porque, simplesmente, é o jogador ao redor do qual a equipe está sendo construída e por isso está havendo uma ‘forçação’ de barra para dar a ele todas as chaves da equipe. Mas, sobretudo, pelo fato dele já ser o jogador mais completo do elenco.

Isso diz muito sobre um jogador de 19 anos. Doncic tem conseguido utilizar bem seu corpo e habilidade para adentrar ao meio da defesa adversária e, a partir dali, finalizar as jogadas com floaters ou encontrar seus pivôs para enterradas na área pintada.

Sua questionável capacidade atlética, no entanto, o impede de atacar o aro para arremessos mais eficientes como bandejas e enterradas.

3 – Marvin Bagley (Kings) 14.7 pontos / 7.7 rebotes / 2 tocos / 60 % de FG / 46.2% nos lances livres

A segunda escolha do draft de 2018 começa a impor seus atributos físicos no jogo dos profissionais. Sua capacidade de saltar rapidamente durante múltiplas vezes tem o permitido se tornar o principal protetor de aro de sua equipe, mesmo não tendo – muitas vezes – a disciplina necessária para se manter no chão até que o adversário faça o arremesso.

Tal falta de disciplina poderá, nas próximas semanas, causar a ele problemas com faltas – caso os adversários percebam sua tendência de saltar à primeira ameaça de arremesso.

No ataque, Bagley mostrou versatilidade para pegar o rebote e iniciar a transição – finalizando diversas jogadas no costa-a-costa. Seu péssimo aproveitamento na linha do lance-livre, no entanto, além de fazê-lo deixar de marcar diversos pontos ao sofrer faltas, trazem preocupação quanto à sua capacidade de se tornar um arremessador consistente na média e na longa distância.