Natural de Formiga, em Minas Gerais, brasileiro de 23 anos atua há quatro no basquete universitário dos Estados Unidos

Depois de experimentar parte do processo do draft da NBA de 2019 antes de optar por retornar para seu quarto e último ano no basquete universitário, o brasileiro Túlio da Silva (Missouri State) confirmou no início dessa semana sua participação no draft de 2020.

Infelizmente para o jovem de 23 anos – natural do município de Formiga, em Minas Gerais – a última impressão deixada aos scouters da melhor liga do mundo certamente não terá sido tão positiva quanto à que havia deixado ao final da temporada 2018-2019.

Isso porque, em 19-20, o brasileiro teve um decréscimo de produção em praticamente todas as estatísticas em comparação ao ano anterior. Cenário claramente impulsionado pela mudança de seu papel na equipe do treinador Dana Ford.

Trajetória em Missouri State

Depois de atuar como uma espécie de ‘small ball 5’ em seu primeiro ano em Missouri State – após de transferir da Univ. de South Florida, Túlio atuou mais aberto, como um ala-pivô, na temporada recém encerrada, função que escancarou algumas de suas principais deficiências.

Como pivô, o brasileiro de 2,03m de altura e braços longos (medidas não oficializadas) utilizava com frequência seu excelente atleticismo para ser um pesadelo para os adversários na saída de pick and roll – explodindo para o aro com muita agilidade e boa elevação vertical para converter 59.1% de seus arremessos de 2-PT em 18-19 e ir para a linha de lance-livre em uma frequência média de 3.9 oportunidades por partida.

A ameaça constante como ‘roller’, bem como de colocar a bola no chão e atacar o aro contra pivôs mais tradicionais e pesados, lhe concedeu ainda espaço para conectar bolas de 3-PT com consistência pela primeira vez em sua carreira universitária (37% com 1.7 tentativas em 18-19).

Outra virtude exibida por Túlio quando atuando na posição 5 foi a habilidade de utilizar sua agilidade e atleticismo ‘pressionar o homem da bola e se recuperar para o matchup inicial’ com velocidade – cobrindo espaços por toda a quadra, seguindo a receita de alas com perfil similar ao seu que eventualmente atuam na função, tais como Jerami Grant (Nuggets).

Sua performance no papel lhe rendeu a seleção para o primeiro time da Conferência Missouri Valley e números expressivos como 14.3 pontos, 7.4 rebotes, 1 roubo de bola, 0.8 toco, 55.4% de aproveitamento nos arremessos de quadra e os já mencionados 37% da linha dos 3-PT

No início dessa temporada, no entanto, a chegada do ala Gaige Prim – transferido da universidade de South Plains, Túlio cedeu o espaço de ‘small ball 5’ para o jogador de 2,03m de altura, mas com 113kg – em uma tentativa do trenador Dana Ford de diminuir a vulnerabilidade defensiva da equipe contra pivôs pesados e de alguma habilidade, capazes de punir os 97kg do brasileiro no garrafão.

A mudança de papel impactou significativamente o impacto de Túlio no lado ofensivo da quadra, onde ele não apenas passou atuar mais aberto – tendo menos oportunidades no jogo de dupla, bem como viu suas linhas de infiltração diminuídas com o fim do sistema de 4 abertos e a presença de Grim no entorno do garrafão.

Para piorar, o brasileiro viu diminuir seu espaço para seguir evoluindo na linha dos 3-PT (apenas 12.5% de aproveitamento, com 0.5 tentativas por jogo).

Em números, o ambiente menos adequado se revelou nas médias de 9.9 pontos, 7.1 rebotes, 51.8% de aproveitamento nos arremessos de quadra e 2.6 lances livres tentados por jogo, todas menores do que as anotadas por ele como júnior.

Expectativa para o Draft
Se somando à ‘última impressão menos positiva’, Túlio terá de superar a provável falta de oportunidade de exibir seu excelente atleticismo no Draft Combine – evento que anualmente promove testes físicos e técnicos com os prospectos, mas que esse ano deverá ser cancelado por conta da pandemia do coronavírus.

Certo é, no entanto, que sua versatilidade defensiva e o perfil físico promissor deverão ser o bastante para que ele – caso não seja draftado – ganhe oportunidades em alguma franquia para a Liga de Verão, bem como receba ofertas para atuar na G-League, competição de desenvolvimento da NBA.